Dicas de Fim de ano – Acidentes de Natal

 

Acidentes de Natal: pets podem levar choque ao roer fios do pisca-pisca

unnamed (3) 

Donos devem manter cães e gatos, principalmente filhotes, longe das árvores de Natal. Choques podem causar de queimaduras locais a edema pulmonar neurogênico nos animais

 

O pisca-pisca da árvore de natal representa um grande perigo aos animais de estimação. Cães e gatos, principalmente filhotes, podem roer os fios do enfeite e levar choques. “O ideal é manter árvores de natal e outros enfeites que contenham a luzinha fora do alcance dos animais”, comenta Marcelo Quinzani, diretor do Hospital Veterinário Pet Care.

Caso o dono não consiga evitar o acidente, ele deve levar o pet imediatamente ao veterinário. “Choques podem ser leves, causando queimaduras locais, ou graves, resultando em um edema pulmonar neurogênico de difícil tratamento”, alerta o especialista.

No momento do acidente, a primeira providência que o dono deve tomar é desligar o fio da tomada e nunca tentar retirar o cão com o fio ligado, uma vez que também pode ser eletrocutado. Também deve afastá-lo de possíveis poças d’água ou urina e nunca jogar água no animal.

 

Afastando o pet do perigo

Este tipo de acidente costuma ser mais comum com gatos, que possuem preferência maior por brincar com fios e escalar árvores, e também com filhotes. “Estes são extremamente curiosos e ainda não entendem limites, por isso é necessário que os donos impeçam o acesso à área onde o pinheirinho estiver localizado”, explica o veterinário, que reforça ainda que animais já adultos são mais fáceis de serem condicionados a ficar longe do local através de treinos e prêmios.

 

 

A rede Pet Care possui quatro unidades na capital paulista: Morumbi, Ibirapuera, Pacaembu e Tatuapé.

 

 

Hospital Veterinário Pet Care     

www.petcare.com.br

Dicas de fim de ano – Alimentos da ceia


Campanha realizada pelo Irmão Animal, focando a conscientização e cuidados especiais nesta época.
Juliana Arantes, veterinária da Hill´s Pet Nutrition, alerta que muitos alimentos presentes na Ceia de Natal podem fazer mal para os cães. “Qualquer alimento novo que o cão não esteja habituado a comer pode causar um estresse na microbiota intestinal, ocasionando sérios problemas”.
A seguir, a especialista lista alguns alimentos que não podem ser consumidos pelos cães e também as consequências, caso isso ocorra:
Carne de peru, tender e pernil: são gordurosas e podem causar distúrbios, como fezes amolecidas, diarreias e vômitos.
Nozes de Macadâmia: podem causar fraqueza, depressão, vômitos, tremores, dores abdominais, confusão mental, problemas musculares, respiratórios, digestivos, problemas nas articulações e no sistema nervoso e hipertermia.
Uvas e Uvas Passas: podem causar vômitos severos e diarreia, insuficiência hepática, insuficiência renal, alteração neurológica e até morte.
Chocolate e Café: por conter metilxantinas, podem causar vômitos e diarreia, hiperventilação, sede e urinação excessiva, hiperatividade, ritmo cardíaco anormal, tremores, convulsões, coma e até a morte.
Ossos: extremamente perigosos, principalmente após o cozimento, pois ficam muito fáceis de triturar e as “farpas” podem dilacerar o intestino, causando hemorragia e levando o animal ao óbito.
Abacate: contém toxina fungicida, o que pode provocar vômitos, diarreia, dificuldades em respirar, paragem de digestão e acumulação de fluídos no abdômen, peito e coração. Há risco de morte.
CRÉDITOS:
Irmão Animal
Juliana Arantes
Veterinária Hill´s Pet Nutrition

Você Sabia? que alguns remédios humanos não podem ser dados ao seu pet?

Aconteceu comigo, pode acontecer com você, indicação de vendedores em farmácias podem muitas vezes gerar problemas sérios na saude do seu animal, o ideal sempre, é procurar ajuda veterinária. 

VOCESABIARemedio

Remédios humanos podem ser letais em cães e gatos.

Você sabia que alguns remédios humanos não podem ser dados ao seu pet? Isso mesmo, medicar os animais domésticos por conta própria com medicamentos de humanos, ao invés de auxiliar no tratamento, pode causar intoxicação, alergias e levar o animal a óbito rapidamente.

Uno, um miniatura pinscher com três anos de idade, apresentou os sintomas comuns da intoxicação após ingerir 30 gotas de analgésico dadas por sua tutora. “A veterinária tinha indicado um remédio para ele tomar caso sentisse alguma dor. Pensando que seria a mesma coisa, dei um analgésico de uso humano. Depois que ele tomou percebi que uma reação estranha à medicação, vomitando muito, ficando molinho e com diarreia”. Aos primeiros sintomas que o cão apresentou, Simone resolveu levá-lo para a Clínica Veterinária Fauna, onde recebeu tratamento para desintoxicação. “Ele ficou em observação após ser medicado e depois de três dias estava bem. Hoje tenho trauma de medicá-lo. Lembro que fiquei muito assustada”, conta.

Gatos são ainda mais sensíveis e apresentam grande intolerância a medicamentos que são usados sem problemas em cães e humanos. “Não é raro um gato morrer ou correr sério risco de vida devido à intoxicação medicamentosa”, conta a veterinária.

 
Neste artigo vamos entender um pouco mais sobre este assunto e evitar qualquer tipo de erro futuro. Confira!

Apenas o veterinário pode receitar medicamento

Existem alguns medicamentos que são fabricados para humanos e que podem ser utilizados em animais, no entanto, devemos compreender que estes medicamentos só podem ser receitados por médicos veterinários. O profissional irá explicar a dosagem correta para o porte físico e peso de cada animal.

Por isso, para evitar qualquer risco de piorar o quadro de saúde do cachorro ou até mesmo causar a morte dele, a dica é evitar a medicação sem prescrição. Sempre que houver algum problema, a solução é sempre encaminhar o pet ao veterinário.

O médico veterinário é o único profissional qualificado e graduado para diagnosticar doenças e indicar o tratamento correto para o seu cachorro.

Sistema digestivo de cães e gatos

O sistema digestivo de cães e gatos é bastante semelhante com sistema digestivo dos seres humanos, no entanto, não funcionam exatamente da mesma forma.

A digestão de cães e gatos não possui a mesma capacidade de absorver e sintetizar os medicamentos, como ocorre naturalmente entre os humanos, como é o caso, por exemplo, de anti-inflamatórios e analgésicos.

Esses medicamentos causam lesão profunda no fígado dos cães e dependendo da dose pode ser letal para os gatos (animais mais sensíveis).

O medicamento também pode causar: anemia hemolítica, diarreia, vômitos, lesões hepáticas, necrose renal, entre outros problemas.

Problemas causados por anti-inflamatórios humanos

O anti-inflamatório tem como base o diclofenaco sódico, este medicamento causa graves sintomas gastrointestinais, sendo possível desenvolver problemas de úlceras perfurantes de estômago e duodeno.

De um modo geral os principais sintomas no animal são: vômitos, diarreia, fezes escuras com sangue, apatia e dor abdominal.

O medicamento errado ou mal aplicado pode fazer do problema inicial do cachorro se tornar algo secundário, em função das consequências de aplicar uma medicação errada.

Medicamentos proibidos para gatos

  • Acido acetil salicílico (Aspirina®)
  • Paracetamol (Tylenol®, Anador®)
  • Pseudoefedrina (Claritin®, Tylenol Sinus®, Loratadina®)
  • Salicilato de Bismuto (Pepto Bismol®, Peptozil ®)
  • Iboprofeno (Advil®)
  • Piroxican (Feldene®, Inflamene®)
  • Enema de Fosfato (Fleet Enema®)
  • Xampu a base de Alcatrão (Sebotrat -O®, Ionil T®, Politar®)
  • Xampu com Benzoato de Benzila (Acarsan®)
  • Xampu com Acido salicílico.
  • Xampu com Sulfeto de Selênio (Selsun Ouro®, Selsun Azul®)
  • Peroxido de Benzoila – usar com cautela (Peroxidex®, Sana Dog®, Pertopic®)
  • Piretróide (Antiparasitário como Butox® )
  • Levamisol (Ascaridil®)
  • Azatioprina (Imuram®)
  • Piridium®
  • Diclofenaco potássio (Cataflan®)
  • Diclofenaco sódico (Voltaren®)

Medicamentos proibidos para cães

  • Diclofenaco de potássio (Cataflan);
  • Diclofenaco sódico (Voltaren) e a maioria dos anti-inflamatórios de uso humano;
  • Piridium.

Medicamentos de uso restrito para cães

– Ivermectina (Ivermec, Vermectil, Ivomec, entre outros);

Obs: a ivermectina é muito utilizada em cães, com exceção das raças: collie, border collie, pastor de shetland, sheepdog, bearded collie, pastor australiano e todos os cruzamentos em comum com essas raças. Através de pesquisas foram relatadas sérias alterações neurológicas.

Medicamentos de uso controverso em cães

– Acetaminofem/paracetamol (Tylenol);
– 5- Fluororacil (Efurix): de uso tópico, caso ingerido causa grave intoxicação;
– Risperidona (Risperidon).

Medicamentos que requerem cuidado na dose para cães

– Metronidazol (Flagyl): dose alta causa sintomas neurológicos;
– Sulfa-Trimetroprina (Bactrim): dose alta causa displasia de medula óssea, levando a anemia e hepatopatia (em labradores);
– Sulfassalazina (Azulfin): pode causar olho seco em cães;
– Aspirina: dose muito abaixo do que a dada em humanos.

Deu medicamento humano ao cão, e agora?

Se o veterinário prescreveu o medicamento na dose e quantidade certa para o tamanho, idade, raça e peso de seu animal, não há do que se preocupar.

Caso você tenha o costume de automedicar o seu pet, a dica é parar de realizar este procedimento e leva-lo imediatamente ao veterinário (explique ao profissional quais foram os medicamentos aplicados, suas respectivas doses e seus motivos).

Uma ótima dica é ter uma agenda com todo o histórico de medicamentos (e doenças) de seu cachorro.

Procure medicar o seu cachorro com a orientação médica de um veterinário, do contrário, a atitude de automedicar pode fazer o seu cachorro ou gato pagar com a própria vida.

Se um animal de estimação come um remédio como posso fazer para que ele o coloque para fora?

Leve-o até o seu Medico Veterinário de confiança, para tratá-lo da melhor maneira. Não faça automedicações ou tente fazer com seu animal vomite, pois não funcionará da mesma maneira que o ser humano, ou seja, não adianta colocar seu dedo na garganta do seu animal para fazê-lo vomitar.

Se meu animal estiver intoxicado com algum medicamento o que devo fazer?

Leve-o mais rápido possível para seu Médico Veterinário de confiança, só ele poderá reverter os sintomas causados pela intoxicação. Quanto mais rápido começar o tratamento, melhor será o prognostico para reverter o quadro de intoxicação.

Como é possível saber o que pode ou não ser dado?

NÃO FAÇA AUTOMEDICAÇÃO. Dessa maneira poderá mascarar os sintomas e dificultar o diagnóstico da doença. O melhor a fazer caso, seu animal esteja doente, é sempre leva-lo a um Médico Veterinário

Um remédio inofensivo ao ser humano pode ser fatal a um animal?

Sim. Muitos medicamentos utilizados em humanos podem ser fatais à um animal, como por exemplo, os Diclofenatos ( Cataflan ® e Voltarem®), ou até mesmo um simples Tylenol® e Dipirona.

NÃO FAÇA USO DE AUTOMEDICAÇÃO PARA SEUS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO.
Fontes pesquisadas: 

Outubro Rosa – Câncer de mama também afeta animais e preocupa veterinários

No mês da campanha ‘Outubro Rosa’, veterinários fazem alerta. Tratamento é simples e procedimentos, geralmente, são cirúrgicos.


Estamos no ‘Outubro Rosa’, movimento popular internacionalmente comemorado em todo o mundo, que simboliza a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Neste mês, anualmente, monumentos no mundo inteiro são iluminados com a cor rosa, simbolizando a luta contra a doença em seres humanos. O que pouco gente sabe é que muitos animais passam pelo mesmo problema e também sofrem com o tumor nas mamárias (neoplasias).

Segundo os veterinários, a cada dia que passa os animais de estimação estão vivendo por mais tempo, comendo rações com conservantes e, também, estão expostos à poluição do meio ambiente. Devido à soma desses fatores, os animais estão mais sujeitos a desenvolverem neoplasias.

Os tumores mamários são muito mais comuns em cães e gatos, mas outros animais também podem desenvolver a doença. Nos cães, na maioria dos casos, é tumores malignas. Já nos gatos, a maior parte dos tumores é malignos e altamente agressivos.

O tumor de mama é o segundo mais comum em cães e o mais comum em cadelas. Acometem, no geral, animais mais velhos (com cerca de 10 anos de idade), de preferência em animais que possuem todo o seu aparelho reprodutivo (inteiros) e animais que foram castrados após numerosos cios. Não há uma preferência por raça, todas estão sujeitas a esta neoplasia.

Segundo o médico veterinário oncologista, Bruno Baetas, que trabalha no Hospital Veterinário da cidade de Petrópolis, Região Serrana do Rio de Janeiro, desde o início de 2012, cerca de 70 animais com tumores de mama foram atendidos no local. Neste mês de outubro sete novos casos foram registrados.

hanna petropolis (Foto: Bruno Baetas/Arquivo pessoal)

A cadela Hanna teve câncer de mama, passou por cirurgia e já está bem (Foto: Bruno Baetas/Arquivol)

Hanna, uma cocker spaniel, está entre os 77 bichos que apresentaram o tumor. Andrea Durmmond, jornalista, dona da cadela que tem nove anos, diz que é difícil saber que o seu bicho de estimação está com câncer.

Não é fácil, mas é possível. Queremos a Hanna livre do câncer. ” -Andrea Durmmond

” Quando Hanna completou 4 anos, os primeiros nódulos começaram a parecer na mama. A cada internação o risco de perdê-la parecia iminente. Mas resolvemos ajudá-la. A primeira cirurgia retirou o tumor maior e, a segunda, retirou o que estava do outro lado, os menores, útero e ovários, com a finalidade de diminuir a chance do câncer voltar”, disse.

Depois de ter passado por momentos de tensão, Andrea afirma que valeu à pena o sacríficio e que agora sua cadela está bem. ” Três meses depois está tudo bem. Ela não precisou de tratamento radio ou quimioterápico e não tem metástase, e assim torcemos e cuidamos para que continue, embora saibamos que não estamos seguros de nada”, complementou.

Prevenção
Segundo o veterinário Bruno Baetas, a principal forma de prevenção dos tumores de mama é a castração dos animais com até um ano de idade, preferencialmente antes do primeiro cio. Não fazer a utilização de anticoncepcionais e utilizar dietas balanceadas também estão entre as dicas.

Classificação
A classificação dos tumores se divide em benignos e malignos. Os tumores malignos são mais agressivos e fazem metástases (quando células tumorais ganham a corrente sanguínea ou linfática e se desenvolvem em outros órgãos) no caso dos tumores de mama o principal sítio de é o pulmão, segundo explicou o médico veterinário.

Tratamento
O tratamento dos tumores de mama é cirúrgico, ou seja, a extração cirúrgica das mamas. Outra modalidade terapêutica é a quimioterapia pré ou pós cirúrgica e a utilização de alguns medicamentos anti-inflamatórios.

Fonte: http://g1.globo.com/rj/

Você sabia? Esporotricose tem cura

VOCeSabiaEsporo

Você sabia, que a esporotricose ocorre com maior freqüência em pessoas que lidam com o solo e vegetais contaminados com o fungo Sporothrix schenckii?

Sabia que ela também é conhecida como a doença do jardineiro devido a isso?

O fungo, Sporothrix schenckii, é muito comum em áreas de clima úmido e temperado. Os profissionais que correm mais risco são os jardineiros, floristas, horticulturistas e agricultores, embora exista relato de pessoas que se contagiaram trabalhando em áreas de pouca higiene.

A esporotricose também pode surgir em animais que tenham contato com plantas infectadas com o fungo ou em brigas com outros animais já contaminados, por isso uma boa solução é castrar seu animalzinho para evitar saídas por fêmeas no cio e, conseqüentemente, evitar as brigas e proteger de doenças.

Adivinhar onde o fungo está instalado é impossível, daí o melhor a fazer é previnir, estar sempre com luvas ao entrar em contato com jardins, hortas, solos etc. Há algum tempo, esta doença também era conhecida como a “doença da roseira” devido à infecção por corte de espinhos das plantas contaminadas.

A esporotricose pode ser curada de maneira fácil, como qualquer outra doença,ninguém precisa ser sacrificado por conta dela. O sinal mais comum da doença é o surgimento de um caroço avermelhado, dolorido, que vira uma ferida que não cicatriza e aumenta em número e tamanho. Nos animais os sintomas são os mesmos, em algumas pessoas podem surgir inchaço, vermelhidão e dor nas juntas. O tratamento pode durar de dois a seis meses, numa pessoa que tenha defesa normal a cura é total.

Segundo a Drª Andréa Lambert, muitas espécies, incluindo cavalos, gatos, cães, animais silvestres e o próprio homem podem adquirir esta doença através de pequenos ferimentos no contato com plantas contaminadas e a infecção ocorre quando há inoculação do fungo no tecido subcutâneo por meio de pequenos traumatismos. Ainda para a doutora, não há nenhuma razão para que um animal infectado seja perseguido, maltratado e eutanasiado, pois a esporotricose tem cura e quanto mais rápido o tratamento, mais fácil é a recuperação do animalzinho.

A transmissão da doença dos animais para o ser humano não é aceita por todos os autores, assim como a transmissão de pessoa para pessoa também não o é por outros tantos, mas é necessário que se tenha o cuidado de tratar corretamente os animais infectados e o homem para que a doença não se alastre desnecessariamente.

Cuidados

Caso seu peludo esteja infectado:

• Procurar um veterinário imediatamente;

• Manter seu animalzinho isolado e dentro de casa;

• Manusear seu animalzinho sempre com luvas, desinfetando com água sanitária o local onde ele esteja;

• Não interromper o tratamento prescrito pelo veterinário até que o mesmo dê alta ao seu bichinho.

Quanto ao homem, se infectado, o caminho mais acertado é uma consulta a um dermatologista, que é o especialista indicado para diagnosticar as lesões que aparecem na pele. Como podem ver, a esporotricose não é motivo para sacrificar ninguém, caso contrário, não teríamos quem plantasse, colhesse, limpasse, construísse etc.

Higiene é a palavra-chave para que muitas zoonoses desapareçam do planeta. Povo limpo é povo desenvolvido e saudável. Exijam que seus municípios sejam tratados corretamente, afinal, os impostos que pagamos têm que servir ao povo e não servir para enriquecer prefeitos desonestos, a dengue que o diga!

Fontes:
Andréa de Jesus Lambert – médica veterinária CRMV-RJ 3123
Fátima Borges – Professora de Português e Teatro Infantil, Colunista, Artista Plástica e Poetisa.
http://www.unirio.br/ccbs/revista/cadbra2001/doen%E7a%20infecciosa.htm
http://www.sbdrj.org.br/epidemia_de_espo
http://www.floraisecia.com.br/detalhe_artigo.php?id_artigo=488
http://www.manualmerck.net/?id=211&cn=1787

Noticias do Klauss

Amigos e amigas,

Nosso amiguinho Klauss foi operado hoje!
E, temos boas noticias! ou melhor, ÓTIMAS!

Klauss deverá voltar a enxergar dentro de 5 dias após o seu olhinho desinchar. Fará a retirada dos pontos daqui a 10 dias onde fazerá a revisão no especialista na Barra.

Nosso fofo cresceu, está ótimo e se recuperando muito bem.
Em breve mais noticias do pequeno!

obg a todos pela ajuda de sempre
Grupo Irmão Animal

LocoAbreu

Amigos e amigas,

Este é o fofo do LocoAbreu hoje, resgatado na enchente de 2011 por nós em uma das visitas a Itaipava e Vale do cuiabá.

Foi adotado pela amiga e companheira de luta Luciana. Lindo e meigo!

67377_116983581820906_231316272_n

 

No dia do resgate:

178932_488915638405_1214756_n

 

http://caespetropolis.wordpress.com/2011/01/15/itaipava-animais-resgatados/

Noticias do Klauss

Amigos e amigas,

O fofo do Klauss cresceu e esta cada dia mais esperto! Ele esta super bem e adaptadíssimo ao novo lar e a sua nova “irmã” felina.

Mes que vem o pequeno Klauss vai poder operar e voltará a enxergar!
Terá uma vida normal, feliz e abençoada!
obg a todos por tudo
Grupo Irmão Animal

Mais duas castrações realizadas

Amigos e amigas,

Hoje as peludas estão na clinica veterinária para realizar a castração!

Iam ser castradas duas gatinhas e uma cadelinha, mas a “tutora” não liberou a cadelinha para castração, lamentavelmente.

=(

Agradecemos o amigo Amarildo pelo transporte das peludas, a amiga Nathalia que doou as castrações e ao Projeto Pro Patinhas que doou a medicação pós operatória das meninas.

obg a todos
Grupo Irmão Animal Petrópolis

Sobre:
http://caespetropolis.wordpress.com/2013/11/21/ajuda-com-medicacao-pos-castracao/