Dicas de Fim de ano – Truque do Pano

Mais uma dica, recebida por leitora, de como amenizar o desconforto causado aos pets pelos fogos de artificio:

TRUQUE DO PANO: PROTEJA O CACHORRO DO BARULHO FEITO POR FOGOS DE ARTIFÍCIO

Por Raphael Domingos

Momento de festa para uns e de terror para outros.

Quem tem animal de estimação sabe como é estressante para eles lidar com os barulhos feitos por explosivos, como os fogos de artificio, situações que os expõem a altos níveis de ruídos – dá um aperto no coração vê-los em pânico.

Para amenizar o sofrimento do seu filho peludo, encontramos uma técnica – muito simples – chamada Tellington Touch.

Esse método se baseia na informação de que animais que possuem esse tipo de pavor também têm grande sensibilidade nas regiões traseiras, patas e orelhas.

Sendo assim, consiste em atar seu cão com um pano para que a circulação sanguínea das regiões extremas do corpo seja estimulada, amenizando as tensões localizadas no dorso do animal e diminuindo sua irritabilidade. Veja:

Amarre seu cachorro de forma que a faixa englobe peito e dorso (formando um oito), finalize dando um nó na região traseira, mas certifique-se que não esteja exatamente sobre a coluna.

POR QUE FUNCIONA?

O ato de “amarrar” seu cachorro reverbera no sistema nervoso dele, que recebe a informação sensitiva, envia ao cérebro e o deixa mais calmo, visto que essa pequena pressão ativa seu sistema nervoso autônomo.

Conforme o corpo sente a pressão das faixas, sua psique e tronco entram em harmonia, fazendo com que o pet sinta-se mais seguro e possa enfrentar momentos que lhe causavam medo e pavor.

De acordo com Helena Truksa, bióloga com foco em psicologia e especializada em comportamento animal na Ethos Animal, a técnica funciona, mas não pode ser considerada como a salvação. Pois há a questão do nível da fobia que o cão possui e isso varia de acordo com cada pet.

Contudo, ela complementa dizendo que “os cães sentem-se mais seguros em locais pequenos e apertados, e as faixas e camisetas desenvolvidas com essa finalidade, simulam esta sensação.

QUEM CRIOU?

Segundo uma publicação no site The Ann Arbor News, a técnica ‘Tellington Touch’ foi desenvolvida por Linda Tellington-Jones, que inicialmente aplicava esse método em cavalos. No entanto, hoje o procedimento é utilizado no mundo todo para amenizar também as fobias e traumas em outros animais, como os cães.

Pela internet é possível encontrar produtos específicos, como tecidos e camisetas caninas anti-estresse. Mas “isso não quer dizer que o cachorro vai ficar tranquilo […] apenas vai ter menos medo da situação”, ressalta Truska.

E lembre-se: pegue leve na hora de apertar a faixa

http://sossolteiros.bol.uol.com.br/truque-do-pano-proteja-os-cachorros-dos-barulhos-de-fogos-de-artificio/#_znbWvS

Dicas de fim de ano – Cachorro com medo de trovão e fogos de artifício

Descubra o que fazer para ajudar o seu cachorro nestes momentos
por AgendaPet

Copa do mundo, finais de campeonato, festas juninas, Natal e Ano Novo… É sempre a mesma história: cachorros desesperados com o barulho dos fogos de artifício.
Seu cachorro tem medo de trovão e fogos de artifício? Saiba que não está sozinho e que isso ocorre com grande parte dos animais de estimação.

1. Escolha um lugar onde o cachorro se sinta seguro

Coloque o cão em um canto da casa onde o som fique abafado

THINKSTOCK

Quando você sabe que no dia terá fogos de artifício ou trovões, arrume um local na casa onde ele se sinta seguro: um ambiente que abafe um pouco o som.  Procure deixá-lo longe das janelas.

Cuidado apenas para não trancá-lo em seu quarto e esquecer objetos que possam machucá-lo ou que ele possa estragar. Prepare o ambiente antes de colocá-lo ali.

Para completar, faça com que ele fique bastante fatigado durante umas horas antes dos rojões, pois, assim, ele ficará relaxado e poderá até cochilar no seu quarto enquanto os rojões fazem barulho lá fora.

2. Acostume o cão com o som dos trovões e fogos de artifício

Coloque uma gravação com sons de trovão e de fogos de artifício

Quando um cachorro está acostumado com um som, não sentirá medo se ouvi-lo depois. Uma forma então é fazer com que os sons de trovões e fogos de artifício sejam naturais a ele. Mas como?

THINKSTOCK

Grave um CD ou MP3 com estes sons e, enquanto seu pet ouve, brinque com ele. É possível, também, colocar no momento em que estiver comendo, ou fazendo algo de que ele goste. O importante é que ele associe o som a algo que é bom e não a uma situação ruim.

Vale lembrar que ele pode estranhar no início, então não vá fazê-lo escutar o mesmo CD o dia todo, pois pode causar estresse. Comece colocando o som baixo e vá aumentando gradualmente, sem que isso deixe o cachorro assustado.

3. Mostre ao cachorro que os sons de fogos são bons

Festeje quando ouvir o barulho de trovão ou fogos

Não adianta querer que o seu cão não tenha medo do trovão se você se assusta toda vez que escuta um e ele vê sua reação. Dessa forma, ele também associará o barulho como alguma coisa que não é muito boa.

Procure festejar, cantar, pular ou gritar quando ouvir um trovão ou fogo de artifício, pois o cão começará a processar estes sons como se fossem coisas boas.

4. Não pegue o cão no colo se ele ficar com medo dos sons

Pegá-lo no colo não vai ajudar a tirar o medo.

Se o trovão e os fogos de artifício não são coisas ruins e você quer que ele perca o medo, não adianta pegá-lo no colo quando ele se sentir acuado com o barulho, pois esta atitude mostra que o está protegendo de algo que não é bom e só está consentindo, de alguma forma, que ele deve ter razão em ficar amedrontado.

É difícil não fazer mimos e “socorrer” o seu cachorro quando ele está assustado, mas terá que fazer o esforço de deixá-lo quieto se a intenção for tirar o medo dele.

5. Ligue a TV para abafar os sons

Abafar um pouco o som dos fogos é uma boa opção.

Se souber que o dia será de muita festa e fogos como, por exemplo, no Ano Novo, deixe a TV ligada em músicas mais calmas e com volume razoável para que os sons da televisão abafem um pouco o som dos rojões.

Assim, aquele barulho que parece estridente demais para os ouvidos caninos, fica mais suave ao som de músicas.

Vale lembrar que, mesmo tomando estas atitudes, fechar portões, portas e janelas para evitar que o animal fuja, caso se assuste, é a primeira coisa que deve fazer, visto que em dias de muita festa, o seu animal fugir pode causar muitos problemas.

Em casos que o animal não consegue se adaptar de maneira alguma ou possui um comportamento muito exaltado (é normal ter medo e se esconder, mas não é natural querer agredir a todos ou apresentar outros tipos de sintomas ruins), leve-o ao veterinário para que seja analisado e possa ser realizado o tratamento adequado para livrar-se do medo desses sons.

Existem tratamentos homeopáticos para casos extremos de medos de animais a sons, mas devem ser indicados somente por especialistas.

Veja algumas dicas de como protegê-lo nesses momentos difíceis para evitar acidentes e não desista de treiná-lo.

https://youtu.be/uPjfVJKJsBw

https://youtu.be/xwMEFuv-ZJM

http://www.bolsademulher.com/pet/seu-cachorro-tem-medo-de-trovao-e-fogos

Você Sabia? que alguns remédios humanos não podem ser dados ao seu pet?

Aconteceu comigo, pode acontecer com você, indicação de vendedores em farmácias podem muitas vezes gerar problemas sérios na saude do seu animal, o ideal sempre, é procurar ajuda veterinária. 

VOCESABIARemedio

Remédios humanos podem ser letais em cães e gatos.

Você sabia que alguns remédios humanos não podem ser dados ao seu pet? Isso mesmo, medicar os animais domésticos por conta própria com medicamentos de humanos, ao invés de auxiliar no tratamento, pode causar intoxicação, alergias e levar o animal a óbito rapidamente.

Uno, um miniatura pinscher com três anos de idade, apresentou os sintomas comuns da intoxicação após ingerir 30 gotas de analgésico dadas por sua tutora. “A veterinária tinha indicado um remédio para ele tomar caso sentisse alguma dor. Pensando que seria a mesma coisa, dei um analgésico de uso humano. Depois que ele tomou percebi que uma reação estranha à medicação, vomitando muito, ficando molinho e com diarreia”. Aos primeiros sintomas que o cão apresentou, Simone resolveu levá-lo para a Clínica Veterinária Fauna, onde recebeu tratamento para desintoxicação. “Ele ficou em observação após ser medicado e depois de três dias estava bem. Hoje tenho trauma de medicá-lo. Lembro que fiquei muito assustada”, conta.

Gatos são ainda mais sensíveis e apresentam grande intolerância a medicamentos que são usados sem problemas em cães e humanos. “Não é raro um gato morrer ou correr sério risco de vida devido à intoxicação medicamentosa”, conta a veterinária.

 
Neste artigo vamos entender um pouco mais sobre este assunto e evitar qualquer tipo de erro futuro. Confira!

Apenas o veterinário pode receitar medicamento

Existem alguns medicamentos que são fabricados para humanos e que podem ser utilizados em animais, no entanto, devemos compreender que estes medicamentos só podem ser receitados por médicos veterinários. O profissional irá explicar a dosagem correta para o porte físico e peso de cada animal.

Por isso, para evitar qualquer risco de piorar o quadro de saúde do cachorro ou até mesmo causar a morte dele, a dica é evitar a medicação sem prescrição. Sempre que houver algum problema, a solução é sempre encaminhar o pet ao veterinário.

O médico veterinário é o único profissional qualificado e graduado para diagnosticar doenças e indicar o tratamento correto para o seu cachorro.

Sistema digestivo de cães e gatos

O sistema digestivo de cães e gatos é bastante semelhante com sistema digestivo dos seres humanos, no entanto, não funcionam exatamente da mesma forma.

A digestão de cães e gatos não possui a mesma capacidade de absorver e sintetizar os medicamentos, como ocorre naturalmente entre os humanos, como é o caso, por exemplo, de anti-inflamatórios e analgésicos.

Esses medicamentos causam lesão profunda no fígado dos cães e dependendo da dose pode ser letal para os gatos (animais mais sensíveis).

O medicamento também pode causar: anemia hemolítica, diarreia, vômitos, lesões hepáticas, necrose renal, entre outros problemas.

Problemas causados por anti-inflamatórios humanos

O anti-inflamatório tem como base o diclofenaco sódico, este medicamento causa graves sintomas gastrointestinais, sendo possível desenvolver problemas de úlceras perfurantes de estômago e duodeno.

De um modo geral os principais sintomas no animal são: vômitos, diarreia, fezes escuras com sangue, apatia e dor abdominal.

O medicamento errado ou mal aplicado pode fazer do problema inicial do cachorro se tornar algo secundário, em função das consequências de aplicar uma medicação errada.

Medicamentos proibidos para gatos

  • Acido acetil salicílico (Aspirina®)
  • Paracetamol (Tylenol®, Anador®)
  • Pseudoefedrina (Claritin®, Tylenol Sinus®, Loratadina®)
  • Salicilato de Bismuto (Pepto Bismol®, Peptozil ®)
  • Iboprofeno (Advil®)
  • Piroxican (Feldene®, Inflamene®)
  • Enema de Fosfato (Fleet Enema®)
  • Xampu a base de Alcatrão (Sebotrat -O®, Ionil T®, Politar®)
  • Xampu com Benzoato de Benzila (Acarsan®)
  • Xampu com Acido salicílico.
  • Xampu com Sulfeto de Selênio (Selsun Ouro®, Selsun Azul®)
  • Peroxido de Benzoila – usar com cautela (Peroxidex®, Sana Dog®, Pertopic®)
  • Piretróide (Antiparasitário como Butox® )
  • Levamisol (Ascaridil®)
  • Azatioprina (Imuram®)
  • Piridium®
  • Diclofenaco potássio (Cataflan®)
  • Diclofenaco sódico (Voltaren®)

Medicamentos proibidos para cães

  • Diclofenaco de potássio (Cataflan);
  • Diclofenaco sódico (Voltaren) e a maioria dos anti-inflamatórios de uso humano;
  • Piridium.

Medicamentos de uso restrito para cães

– Ivermectina (Ivermec, Vermectil, Ivomec, entre outros);

Obs: a ivermectina é muito utilizada em cães, com exceção das raças: collie, border collie, pastor de shetland, sheepdog, bearded collie, pastor australiano e todos os cruzamentos em comum com essas raças. Através de pesquisas foram relatadas sérias alterações neurológicas.

Medicamentos de uso controverso em cães

– Acetaminofem/paracetamol (Tylenol);
– 5- Fluororacil (Efurix): de uso tópico, caso ingerido causa grave intoxicação;
– Risperidona (Risperidon).

Medicamentos que requerem cuidado na dose para cães

– Metronidazol (Flagyl): dose alta causa sintomas neurológicos;
– Sulfa-Trimetroprina (Bactrim): dose alta causa displasia de medula óssea, levando a anemia e hepatopatia (em labradores);
– Sulfassalazina (Azulfin): pode causar olho seco em cães;
– Aspirina: dose muito abaixo do que a dada em humanos.

Deu medicamento humano ao cão, e agora?

Se o veterinário prescreveu o medicamento na dose e quantidade certa para o tamanho, idade, raça e peso de seu animal, não há do que se preocupar.

Caso você tenha o costume de automedicar o seu pet, a dica é parar de realizar este procedimento e leva-lo imediatamente ao veterinário (explique ao profissional quais foram os medicamentos aplicados, suas respectivas doses e seus motivos).

Uma ótima dica é ter uma agenda com todo o histórico de medicamentos (e doenças) de seu cachorro.

Procure medicar o seu cachorro com a orientação médica de um veterinário, do contrário, a atitude de automedicar pode fazer o seu cachorro ou gato pagar com a própria vida.

Se um animal de estimação come um remédio como posso fazer para que ele o coloque para fora?

Leve-o até o seu Medico Veterinário de confiança, para tratá-lo da melhor maneira. Não faça automedicações ou tente fazer com seu animal vomite, pois não funcionará da mesma maneira que o ser humano, ou seja, não adianta colocar seu dedo na garganta do seu animal para fazê-lo vomitar.

Se meu animal estiver intoxicado com algum medicamento o que devo fazer?

Leve-o mais rápido possível para seu Médico Veterinário de confiança, só ele poderá reverter os sintomas causados pela intoxicação. Quanto mais rápido começar o tratamento, melhor será o prognostico para reverter o quadro de intoxicação.

Como é possível saber o que pode ou não ser dado?

NÃO FAÇA AUTOMEDICAÇÃO. Dessa maneira poderá mascarar os sintomas e dificultar o diagnóstico da doença. O melhor a fazer caso, seu animal esteja doente, é sempre leva-lo a um Médico Veterinário

Um remédio inofensivo ao ser humano pode ser fatal a um animal?

Sim. Muitos medicamentos utilizados em humanos podem ser fatais à um animal, como por exemplo, os Diclofenatos ( Cataflan ® e Voltarem®), ou até mesmo um simples Tylenol® e Dipirona.

NÃO FAÇA USO DE AUTOMEDICAÇÃO PARA SEUS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO.
Fontes pesquisadas: 

Outubro Rosa – Câncer de mama também afeta animais e preocupa veterinários

No mês da campanha ‘Outubro Rosa’, veterinários fazem alerta. Tratamento é simples e procedimentos, geralmente, são cirúrgicos.


Estamos no ‘Outubro Rosa’, movimento popular internacionalmente comemorado em todo o mundo, que simboliza a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Neste mês, anualmente, monumentos no mundo inteiro são iluminados com a cor rosa, simbolizando a luta contra a doença em seres humanos. O que pouco gente sabe é que muitos animais passam pelo mesmo problema e também sofrem com o tumor nas mamárias (neoplasias).

Segundo os veterinários, a cada dia que passa os animais de estimação estão vivendo por mais tempo, comendo rações com conservantes e, também, estão expostos à poluição do meio ambiente. Devido à soma desses fatores, os animais estão mais sujeitos a desenvolverem neoplasias.

Os tumores mamários são muito mais comuns em cães e gatos, mas outros animais também podem desenvolver a doença. Nos cães, na maioria dos casos, é tumores malignas. Já nos gatos, a maior parte dos tumores é malignos e altamente agressivos.

O tumor de mama é o segundo mais comum em cães e o mais comum em cadelas. Acometem, no geral, animais mais velhos (com cerca de 10 anos de idade), de preferência em animais que possuem todo o seu aparelho reprodutivo (inteiros) e animais que foram castrados após numerosos cios. Não há uma preferência por raça, todas estão sujeitas a esta neoplasia.

Segundo o médico veterinário oncologista, Bruno Baetas, que trabalha no Hospital Veterinário da cidade de Petrópolis, Região Serrana do Rio de Janeiro, desde o início de 2012, cerca de 70 animais com tumores de mama foram atendidos no local. Neste mês de outubro sete novos casos foram registrados.

hanna petropolis (Foto: Bruno Baetas/Arquivo pessoal)

A cadela Hanna teve câncer de mama, passou por cirurgia e já está bem (Foto: Bruno Baetas/Arquivol)

Hanna, uma cocker spaniel, está entre os 77 bichos que apresentaram o tumor. Andrea Durmmond, jornalista, dona da cadela que tem nove anos, diz que é difícil saber que o seu bicho de estimação está com câncer.

Não é fácil, mas é possível. Queremos a Hanna livre do câncer. ” -Andrea Durmmond

” Quando Hanna completou 4 anos, os primeiros nódulos começaram a parecer na mama. A cada internação o risco de perdê-la parecia iminente. Mas resolvemos ajudá-la. A primeira cirurgia retirou o tumor maior e, a segunda, retirou o que estava do outro lado, os menores, útero e ovários, com a finalidade de diminuir a chance do câncer voltar”, disse.

Depois de ter passado por momentos de tensão, Andrea afirma que valeu à pena o sacríficio e que agora sua cadela está bem. ” Três meses depois está tudo bem. Ela não precisou de tratamento radio ou quimioterápico e não tem metástase, e assim torcemos e cuidamos para que continue, embora saibamos que não estamos seguros de nada”, complementou.

Prevenção
Segundo o veterinário Bruno Baetas, a principal forma de prevenção dos tumores de mama é a castração dos animais com até um ano de idade, preferencialmente antes do primeiro cio. Não fazer a utilização de anticoncepcionais e utilizar dietas balanceadas também estão entre as dicas.

Classificação
A classificação dos tumores se divide em benignos e malignos. Os tumores malignos são mais agressivos e fazem metástases (quando células tumorais ganham a corrente sanguínea ou linfática e se desenvolvem em outros órgãos) no caso dos tumores de mama o principal sítio de é o pulmão, segundo explicou o médico veterinário.

Tratamento
O tratamento dos tumores de mama é cirúrgico, ou seja, a extração cirúrgica das mamas. Outra modalidade terapêutica é a quimioterapia pré ou pós cirúrgica e a utilização de alguns medicamentos anti-inflamatórios.

Fonte: http://g1.globo.com/rj/

Novembro Azul

logo_IrmoAnimal
Novembro Azul Animal é uma campanha educacional promovida pelo Irmão Animal com parceira com a Dra Simone Nascimento da BioDog, visando alertar sobre a importância da prevenção de doenças de Próstata onde Cães e Gatos também são acometidos. 
 
A campanha
Tendo como objetivo a conscientização dos tutores sobre a importância dos exames e cuidados que devemos ter com os nossos  pets, em relação ao câncer de próstata. Esta conscientização é de extrema importância para a sociedade, pois nem todos os tutores sabem dos reais cuidados que devem ter ao longo da vida dos pets para evitar a doença na velhice. 


Você sabe como o câncer de próstata atinge os animais? Quais os cuidados e tratamentos?
Dra Simone Nascimento reponde a estas perguntas: 

“Os pets, assim como os homens, merecem uma atenção especial quando estão na fase adulta, migrando para fase senil, pois, quando não são castrados, a próstata pode sofrer modificações por conta de hormônios e desenvolver o câncer.” 
 

Geralmente, os cães são acometidos na idade adulta, normalmente acima dos 8 anos de idade, não castrados, sem distinção de raça ou tamanho.


Dra Simone ainda explica que, com a idade os hormônios dos testículos começam a funcionar de forma irregular, estimulando a próstata a sofrer um aumento de tamanho e de forma, além de modificações em sua textura: 
“Um dos cuidados que devemos ter é sempre levar o pet ao médico veterinário, para consultas e exames periódicos, acompanhando sempre o estado clínico dele. O quanto antes a doença for detectada, maiores serão as chances e a velocidade de cura do pet.”
 
Esterilização
A melhor forma de prevenção é a Orquiectomia (procedimento cirúrgico para a castração para cães do sexo masculino). Além da castração, assim como falamos anteriormente, visitas periódicas ao médico veterinário é uma forma eficaz e segura de prevenção, para que sejam realizados exames de toque ou US (ultrassom na região perineal), que irão revelar se há evidências de alterações na próstata como aumento de tamanho, assimilaridade e rugosidade da glândula, entre outros indícios da doença.

A castração tem uma série de benefícios para os cães e para os animais em geral. Com a castração, a incidência de câncer de próstata diminui em até 90%, além de ajudar no controle comportamental de cães mais agressivos e dominantes e auxiliar no controle populacional de cães, que por muitas vezes acabam sendo abandonados nas ruas por conta de cruzamentos indesejados e posses não responsáveis.

O importante é termos a consciência de uma guarda responsável, cuidar de seu animal lhe oferecendo alimentação adequada e de boa qualidade, água fresca, um lugar confortável e protegido das intempéries, e periodicamente consultar um médico veterinário para manter a vacinação e vermifugação em dia, assegurando-lhe uma vida longa e saudável.

 
Texto escrito em parceria por:
Dra. Simone Nascimento, 
Médica Veterinária 
colaboradora da BioDog 
(empresa de petiscos caninos naturais)
 

Você Sabia? que alguns remédios humanos não podem ser dados ao seu pet?

VOCESABIARemedioAconteceu comigo, pode acontecer com você, indicação de vendedores em farmácias podem muitas vezes gerar problemas sérios na saúde do seu animal, o ideal sempre, é procurar ajuda veterinária. 

Remédios humanos podem ser letais em cães e gatos.

Você sabia que alguns remédios humanos não podem ser dados ao seu pet? Isso mesmo, medicar os animais domésticos por conta própria com medicamentos de humanos, ao invés de auxiliar no tratamento, pode causar intoxicação, alergias e levar o animal a óbito rapidamente.

Uno, um miniatura pinscher com três anos de idade, apresentou os sintomas comuns da intoxicação após ingerir 30 gotas de analgésico dadas por sua tutora. “A veterinária tinha indicado um remédio para ele tomar caso sentisse alguma dor. Pensando que seria a mesma coisa, dei um analgésico de uso humano. Depois que ele tomou percebi que uma reação estranha à medicação, vomitando muito, ficando molinho e com diarreia”. Aos primeiros sintomas que o cão apresentou, Simone resolveu levá-lo para a Clínica Veterinária Fauna, onde recebeu tratamento para desintoxicação. “Ele ficou em observação após ser medicado e depois de três dias estava bem. Hoje tenho trauma de medicá-lo. Lembro que fiquei muito assustada”, conta.

Gatos são ainda mais sensíveis e apresentam grande intolerância a medicamentos que são usados sem problemas em cães e humanos. “Não é raro um gato morrer ou correr sério risco de vida devido à intoxicação medicamentosa”, conta a veterinária.

 

Neste artigo vamos entender um pouco mais sobre este assunto e evitar qualquer tipo de erro futuro. Confira!

Apenas o veterinário pode receitar medicamento

Existem alguns medicamentos que são fabricados para humanos e que podem ser utilizados em animais, no entanto, devemos compreender que estes medicamentos só podem ser receitados por médicos veterinários. O profissional irá explicar a dosagem correta para o porte físico e peso de cada animal.

Por isso, para evitar qualquer risco de piorar o quadro de saúde do cachorro ou até mesmo causar a morte dele, a dica é evitar a medicação sem prescrição. Sempre que houver algum problema, a solução é sempre encaminhar o pet ao veterinário.

O médico veterinário é o único profissional qualificado e graduado para diagnosticar doenças e indicar o tratamento correto para o seu cachorro.

Sistema digestivo de cães e gatos

O sistema digestivo de cães e gatos é bastante semelhante com sistema digestivo dos seres humanos, no entanto, não funcionam exatamente da mesma forma.

A digestão de cães e gatos não possui a mesma capacidade de absorver e sintetizar os medicamentos, como ocorre naturalmente entre os humanos, como é o caso, por exemplo, de anti-inflamatórios e analgésicos.

Esses medicamentos causam lesão profunda no fígado dos cães e dependendo da dose pode ser letal para os gatos (animais mais sensíveis).

O medicamento também pode causar: anemia hemolítica, diarreia, vômitos, lesões hepáticas, necrose renal, entre outros problemas.

Problemas causados por anti-inflamatórios humanos

O anti-inflamatório tem como base o diclofenaco sódico, este medicamento causa graves sintomas gastrointestinais, sendo possível desenvolver problemas de úlceras perfurantes de estômago e duodeno.

De um modo geral os principais sintomas no animal são: vômitos, diarreia, fezes escuras com sangue, apatia e dor abdominal.

O medicamento errado ou mal aplicado pode fazer do problema inicial do cachorro se tornar algo secundário, em função das consequências de aplicar uma medicação errada.

Medicamentos proibidos para gatos

  • Acido acetil salicílico (Aspirina®)
  • Paracetamol (Tylenol®, Anador®)
  • Pseudoefedrina (Claritin®, Tylenol Sinus®, Loratadina®)
  • Salicilato de Bismuto (Pepto Bismol®, Peptozil ®)
  • Iboprofeno (Advil®)
  • Piroxican (Feldene®, Inflamene®)
  • Enema de Fosfato (Fleet Enema®)
  • Xampu a base de Alcatrão (Sebotrat -O®, Ionil T®, Politar®)
  • Xampu com Benzoato de Benzila (Acarsan®)
  • Xampu com Acido salicílico.
  • Xampu com Sulfeto de Selênio (Selsun Ouro®, Selsun Azul®)
  • Peroxido de Benzoila – usar com cautela (Peroxidex®, Sana Dog®, Pertopic®)
  • Piretróide (Antiparasitário como Butox® )
  • Levamisol (Ascaridil®)
  • Azatioprina (Imuram®)
  • Piridium®
  • Diclofenaco potássio (Cataflan®)
  • Diclofenaco sódico (Voltaren®)

Medicamentos proibidos para cães

  • Diclofenaco de potássio (Cataflan);
  • Diclofenaco sódico (Voltaren) e a maioria dos anti-inflamatórios de uso humano;
  • Piridium.

Medicamentos de uso restrito para cães

– Ivermectina (Ivermec, Vermectil, Ivomec, entre outros);

Obs: a ivermectina é muito utilizada em cães, com exceção das raças: collie, border collie, pastor de shetland, sheepdog, bearded collie, pastor australiano e todos os cruzamentos em comum com essas raças. Através de pesquisas foram relatadas sérias alterações neurológicas.

Medicamentos de uso controverso em cães

– Acetaminofem/paracetamol (Tylenol);
– 5- Fluororacil (Efurix): de uso tópico, caso ingerido causa grave intoxicação;
– Risperidona (Risperidon).

Medicamentos que requerem cuidado na dose para cães

– Metronidazol (Flagyl): dose alta causa sintomas neurológicos;
– Sulfa-Trimetroprina (Bactrim): dose alta causa displasia de medula óssea, levando a anemia e hepatopatia (em labradores);
– Sulfassalazina (Azulfin): pode causar olho seco em cães;
– Aspirina: dose muito abaixo do que a dada em humanos.

Deu medicamento humano ao cão, e agora?

Se o veterinário prescreveu o medicamento na dose e quantidade certa para o tamanho, idade, raça e peso de seu animal, não há do que se preocupar.

Caso você tenha o costume de automedicar o seu pet, a dica é parar de realizar este procedimento e leva-lo imediatamente ao veterinário (explique ao profissional quais foram os medicamentos aplicados, suas respectivas doses e seus motivos).

Uma ótima dica é ter uma agenda com todo o histórico de medicamentos (e doenças) de seu cachorro.

Procure medicar o seu cachorro com a orientação médica de um veterinário, do contrário, a atitude de automedicar pode fazer o seu cachorro ou gato pagar com a própria vida.

Se um animal de estimação come um remédio como posso fazer para que ele o coloque para fora?

Leve-o até o seu Medico Veterinário de confiança, para tratá-lo da melhor maneira. Não faça automedicações ou tente fazer com seu animal vomite, pois não funcionará da mesma maneira que o ser humano, ou seja, não adianta colocar seu dedo na garganta do seu animal para fazê-lo vomitar.

Como é possível saber o que pode ou não ser dado?

NÃO FAÇA AUTOMEDICAÇÃO. Dessa maneira poderá mascarar os sintomas e dificultar o diagnóstico da doença. O melhor a fazer caso, seu animal esteja doente, é sempre leva-lo a um Médico Veterinário

Um remédio inofensivo ao ser humano pode ser fatal a um animal?

Sim. Muitos medicamentos utilizados em humanos podem ser fatais à um animal, como por exemplo, os Diclofenatos ( Cataflan ® e Voltarem®), ou até mesmo um simples Tylenol® e Dipirona.

 

NÃO FAÇA USO DE AUTOMEDICAÇÃO PARA SEUS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO.
Fontes pesquisadas: 

Você sabia? Existe preconceito na pelagem

Que os pretinhos básicos, os cães ou gatos pretos não são tão frequentemente adotados como os cães com pelo de outras cores? Infelizmente estes peludos sofrem preconceito, e normalmente, são os últimos a serem escolhidos entre os animais que estão na fila para adoção.

vcSabiaPreto

​E por que isso acontece? Bom, não há uma razão racional para que um ser humano discrimine um cão – ou não queira adotá-lo – simplesmente pelo fato de ele ser preto.

Em estudos e pesquisas realizadas, existem pessoas que associam a pelagem preta a animais violentos. A ANDA informa que esses animais frequentemente são retratados pela mídia (em especial, a TV e o cinema) como agressivos ou maus, o que colabora para reforçar o preconceito (Fonte: ANDA). Além disso, há muitas crenças infundadas sobre azar e superstições na cultura popular.

Nenhuma das razões justifica o preconceito. Animais pretinhos são tão amáveis e queridos quanto o branco ou amarelo, podem ser tão dóceis como os outros peludos. No site Animais respeito, duas voluntárias têm seus pretinhos adoráveis! Conversando sobre o assunto na internet, descobrimos vários tutores que adoram cachorrinhos e gatinhos pretos e contribuem para acabar com o preconceito. Temos um post sobre o assunto: leia aqui.

Nunca é demais lembrar que há gente que usa animais para rituais. Irmão Animal efetou resgates em situações de gatos pretos serem oferecidos em oferendas, graças a Deus, chegamos a tempo e ele foi adotado!

Quem tem um pretinho amado?

Quem quer ter um Pretinho Básico e mudar esta realidade? Nossos candidatos para vencer o preconceito seguem abaixo:

 

​​

Que legumes, verduras e frutas não devo oferecer?

  • Cebola e alimentos preparados com cebola – mesmo em pequenas quantidades, o n propil dussulfito das cebolas pode provocar um tipo grave de anemia nos pets
  • Batatas, inhame, mandioquinha, cará crus – apresentam solamina, uma toxina que pode deprimir o sistema nervoso central e provocar distúrbios gastrointestinais
  • Batata germinada – ricos em solamina, uma toxina que pode deprimir o sistema nervoso central e provocar distúrbios gastrointestinais
  • Brotos de batata – uma toxina que pode deprimir o sistema nervoso central e provocar distúrbios gastrointestinais
  • Pimenta – pode irritar o estômago dos cães
  • Uva e uva passa – muitos cães adoram uvas e passas, mas elas possuem uma toxina não identificada que pode provocar sérios danos renais aos cães
  • Carambola – associada danos renais aos cães
  • Mandioca
  • Folhas e caules de tomate
  • Folhas de abacate
  • Folhas e caules de batata
  • Ruibarbo
  • Folha de berinjela
  • Folha de beterraba

Quanto oferecer?

A quantidade de vegetais e frutas que fará parte da alimentação diária do seu peludo depende da dieta que você escolheu ou que foi receitada para ele. Confira aqui algumas opções de dietas caseiras para animais saudáveis disponíveis aqui no site.

Muitas pessoas oferecem pedacinhos de maçã, banana ou cenoura como forma de premiar os cães durante brincadeiras e sessões de adestramento. Isso é ótimo, mas procure limitar a oferta de petiscos a não mais do que 10% do total de alimentos. Acima disso, desconte da porcentagem total de vegetais a oferecer por dia. Por exemplo: meu Pastor de Shetland deve receber 60 gramas de vegetais por dia, de um total de 240 gramas de alimentos. Se eu quiser oferecer até 10% (24 gramas) de vegetais na forma de petiscos ou lanches, nem preciso descontar do total diário de vegetais. Mas, se eu oferecer a ele 40 gramas de frutas como recompensa durante um treino, servirei apenas 20 gramas de vegetais no almoço ou no jantar dele.

Como preparar e oferecer?

Para que possam digerir adequadamente e aproveitar os nutrientes de legumes e verduras, os cães precisam ingerir esses alimentos como que pré-digeridos. Conseguimos isso triturando esses alimentos até obtermos um “purê” de vegetais, ou cozinhando-os. O calor amolece o alimento e a trituração reduz o tamanho das partículas; ambos facilitam o trabalho da digestão. Legumes triturados não precisam ser cozidos e vice-versa. Existem algumas exceções importantes: legumes da família das batatas, como mandioquinhas, inhames, carás e batatas-doces, precisam sempre ser cozidos. Isso porque batatas cruas contêm uma toxina chamada solamina, que pode causar diarréia nos cães. O calor inativa essa toxina. Outra exceção são as folhas verdes, como o manjericão, a salsinha e a couve-manteiga. Elas devem sempre ser trituradas até se tornarem um “purê”, independentemente de estarem cruas ou cozidas. Nós preferimos oferecer folhas verdes trituradas cruas, já que assim retêm mais nutrientes.

Em relação aos demais legumes, veja como fica mais prático para você. Para tornar a Alimentação Natural mais conveniente, muitas pessoas preferem processar de uma vez uma combinação de quatro ou mais legumes crus diferentes, usando um liquidificador ou mixer (processador de alimentos). Com o purê pronto, elas preparam e congelam porções completas de dieta natural para seus cães e gatos para muitos dias, respeitando as proporções informadas em nossas sugestões de cardápios. Outras pessoas preenchem fôrmas de gêlo com o purê de legumes e o congelam desta maneira. Assim, basta desenformar um ou mais cubinhos de purê, descongelá-los e servir com o restante da refeição. O preparo e congelamento do purê de vegetais acarreta uma perda nutritiva. Para minimizar isso, mantenha o purê congelado por no máximo 15 dias. Outra opção, para quem deseja oferecer vegetais crus, é processá-los na hora, pouco antes de servir. Essa é a maneira que resulta em menor perda de nutrientes, já que o purê não é submetido a nenhum tratamento por calor ou frio.

Se optar por cozinhar, prefira o cozimento ao vapor por cerca de 15 a 20 minutos, que é o método de cocção que melhor conserva os nutrientes dos alimentos. Se não puder/quiser comprar a panela a vapor, cozinhe os legumes em panela com pouca água e fogo baixo, até que estejam tenros. Não acrescente temperos ou sal – as carnes já fornecem naturalmente um bom teor de sódio.

Passamos dois anos oferecendo os legumes crus (com exceção das batatas/inhame/mandioquinha/cará, que sempre cozinhávamos). Atualmente, o que nós fazemos é cozinhar ao vapor os legumes que vamos oferecer no dia. Parece trabalhoso, mas não é. Apenas pico uma combinação de dois a quatro legumes diferentes – ou acrescento-os inteiros, no caso de vagens – coloco tudo na panela a vapor, tampo, e esqueço lá por cerca de 15 a 20 minutos. Monto as refeições dos meus pets e guardo o restante de legumes cozidos na geladeira. Só não cozinho as folhas verdes. Essas ofereço uma vez por semana e sempre as trituro cruas no mixer com um pouco de cenoura ou outro legume para formar um purê consistente.

De modo geral, vegetais crus triturados apresentam nobres nutrientes in natura e enzimas delicadas, o que os torna mais nutritivos. Já os vegetais cozidos apresentam uma perda nutricional, mas são mais palatáveis e, segundo algumas teorias, são melhor aproveitados pelos cães. Opte pelo cozimento ou pela trituração (“purê”) ou alterne os dois métodos.

Em relação às frutas, devem ser oferecidas cruas e, sempre que possível, sem sementes. Se a casca for comestível, nutritiva e atraente ao paladar do cão, como no caso da casca de caqui, figo, maçã e até banana (sim, é muito nutritiva), pode ser oferecida. Já melões, mamões, mangas, etc, devem ser oferecidos sem casca. Muitos proprietários relatam que uma ótima maneira de distrair os cães é oferecer a eles cocos verdes partidos ao meio. Os cães ficam um tempão raspando a polpa do coco e até roem parte da casca.

Ocasionalmente, frutas podem substituir legumes e verduras nas refeições dos cães. Uso frutas como substitutos sempre que fico sem verduras. Meus cães adoram!


Porção de “jantar” de Alimentação Natural descongelada, com o purê de legumes
Créditos: Carol Oliva

Recapitulando:

  • Os legumes precisam ser oferecidos cozidos ou triturados até virarem um “purê” a fim de serem digeridos e aproveitados pelos pets
  • Batatas, mandioquinhas, inhames, carás e afins devem sempre ser cozidos
  • Folhas verdes devem sempre ser trituradas ou não serão digeridas
  • Os demais legumes podem ser triturados ou cozidos, veja como seu pet prefere e como fica mais fácil para você
  • Para fornecer uma infinidade de nutrientes interessantes, varie ao máximo os legumes e verduras oferecidos

Bom apetite e uma lambida do Cachorro Verde!

Vegetais na Alimentação Natural